Arquivo

Posts Tagged ‘Cultura Digital’

Meus “Top Top 2010”

Há poucas semanas assisti um vídeo, do tipo documentário, onde um jornalista perguntava a um garoto de mais ou menos 10 anos:

“O que é internet?”

Ele respondeu:

“Internet é um lugar onde eu posso encontrar qualquer coisa”.

Achei tão objetivo, direto e simples.

Pra mim a internet é um local de encontros, de risadas com o outro e sozinho também, é um local de diversão garantida e é sobretudo um local de aprendizagem colaborativa.

Talvez este tenha sido o ano em que mais aproveitei o poder da rede de pessoas que estão inseridas na vida online para aprender e reaprender, compartilhar e repensar minha prática profissional.

Em meio a este mar de gente que “navega” diariamente e estabelecem verdadeiras redes de aprendizagem, neste post destaco os que mais contribuíram para o meu aprendizado.

Destaco o portal Educarede Brasil (@educaredebrasil).  O EducaRede é um portal educativo, totalmente gratuito e aberto, dirigido a educadores e alunos do Ensino Fundamental e Ensino Médio da rede pública e a outras instituições educativas.

Grupo de Estudos Educar na Cultura Digital (@educultdigital). O grupo é uma iniciativa da Fundação Santillana e da Fundação Telefônica, em parceria com a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). Projetado para ser um espaço online, este grupo de estudos compõe um ambiente interativo, que valoriza a troca de conhecimentos e experiências a partir de um tema de interesse comum: A Educação e a Cultura Digital.

Rede Social Minha Terra (@minhaterra), trata-se de uma rede cuja proposta é estimular o trabalho colaborativo entre escolas da rede pública do Ensino Fundamental e do Ensino Médio das cinco regiões brasileiras a partir de textos, áudio e imagens produzidos por alunos e professores. Como o próprio nome já anuncia, o mote do projeto é recuperar aspectos da identidade, dos costumes e da história locais, no intuito de valorizar a diversidade cultural do país.

No quesito comunidades de aprendizagem colaborativa gosto muito do PlugEdu, Vivo Educa e do The Educator’s PLN. São redes formadas de pessoas com interesse comum abertas a discussão e reflexão.

No twitter minhas comunidades favoritas são o #eadsunday e o #edchat.

Quando o assunto é blog educacional o meu favorito é gringo. Vale a pena conferir o Free Technology for Teachers (@rmbyrne). De produção aqui da terrinha não deixo de passar pelo Tecnologias Educacionais (@marinhos) e Caldeirão de Ideias (@robsongfreire).

Os perfis do twitter que sigo e que fazem toda a diferença na minha opinião são: @marinhos, @joaomattar, @pgsimoes, @SoniaBertocchi, @claudemirviana, @renataaquino, @thbeth, @DaisyGrisolia, @samegui e @interney.

Na categoria inspire-se professor, recomendo conhecer o Ver para Crescer e o Wikimapa.

Na categoria totalmente inusitado para um educador, recomendo acompanhar o site da Pix. Para quem tem olhos atentos o entretenimento digital pode facilmente ser remixado para sua sala de aula professor!

Anúncios

A internet no Brasil em 2010

Graças ao @checchia, tive acesso ao infográfico abaixo, publicado no blog oJonalista.com. O infográfico mostra de uma forma bem organizada vários dados sobre o uso da Internet no Brasil, obtidos através do Censo 2010, de uma pesquisa da F/Nazca e do Ibope Net Ratings.

Encontro de Redes: REACamp

Aconteceu dia 17/11, no II Fórum da Cultura Digital, o REACamp, espaço dedicado a discutir os Recursos Educacionais Abertos.

“Estavam presentes professores – com uma visão bem pragmática do que são REA no chão da escola; editores – com preocupações comerciais e logísticas; pesquisadores – com um viés mais investigativo e comparativo dos temas; gestores de diferentes projetos e pessoas que se encaixavam em mais de um perfil”

Bianca Santana fez um ótimo post sobre as questões levantadas durante o encontro. Para ficar por dentro da discussão dê uma espiada no blog rea.net

Encontro de Redes: Educação e Cultura Digital

Aconteceu ontem, 16/11, no Fórum da Cultura Digital o Encontro de Redes: Educação e Cultura Digital.

O papo reuniu educadores, editores, jornalistas e demais interessados no tema. Começamos nos apresentando e devido a diversidade de áreas de atuação do público presente, já se podia imaginar que seria um debate enriquecedor.

O pessoal do Educarede e do grupo de estudos Educar na Cultura Digital, grande razão da minha presença neste espaço, trouxe seu pessoal em peso, estavam lá Sonia Bertcocchi, Mila Gonçalves, Vanessa Rodrigues, Claudemir Viana, José Carlos e Priscila Gonsalves que começou a conversa contanto mais sobre a linha de atuação do grupo.

Bianca Santana do REA nos contou sobre projetos desenvolvidos no estado do Paraná, o Projeto Folhas e do Livro Didático Público. Ela destaca as iniciativas como boa política de REA, onde o professor produz material didático de qualidade e é reconhecido por isso.

O “super figura” e paraense, Jader Gama compartilhou as experiências do projeto Puraqué, e destacou a importância de envolver professores e alunos em um projeto super inovador e criativo.

Robson apresentou projetos educacionais desenvolvidos junto a comunidades, projeto Mocambos e Casa de Cultura Tainã e destacou a importância de envolver pessoas.

Como era de se esperar (pelo menos eu esperava), pela maioria das pessoas presentes serem educadores, não demorou para a conversa entrar nos muros escolares.

Barbara Dieu destacou os “4Rs” necessários para que materiais educacionais sejam considerados recursos educacionais abertos: reuso, revisão, remixagem e redistribuição.

E como sempre, surgem pontos do vista do tipo, o professor é resistente a tecnologia, não se interessa pelo novo, etc. Como se o professor fosse culpado por todos os problemas da educação. (Pensando alto: sou educadora, porque raios a sociedade quer que eu seja mãe, psicóloga, babá, etc.)

Gostei particularmente da provocação lançada por José Carlos, quando o mesmo diz que toda escola quer um professor digital, mas na prática quem quer pagar para tê-lo?  Realmente, as intituições de ensino ainda não pararam (e na minha opinião não querem) para discutir, quanto vale o trabalho do professor fora de sala de aula? Que tipo de organização seria necessária para oferecer formação continuada de qualidade? Este tempo estaria contemplado na carga horária de trabalho? Estas são discussões tanto para as escolas públicas quanto as privadas.

E o que dizer da universidades? Uma das participantes presente, destacou a distancia existente entre universidade e escola. Vemos um projetinho aqui, outro ali, mas quando acaba a verba da pesquisa, adeus maricota!

Conclusões? Espaços de diálogo e troca de experiências como este, sempre nos fazem sair mais fortalecidos , com ideias recicladas, com exemplos a serem adaptados e assim voltamos, cada um ao seu ninho e tentamos fazer o melhor… sempre!

II Fórum da Cultura Digital

Começou hoje (15/11), o II Fórum da Cultura Digital!

Este ano, a proposta é dar visibilidade aos processos emergentes na rede, às diferentes comunidades de práticas e interesses que se organizaram ao longo do ano, levantando questões e propondo formulações para subsidiar políticas públicas de cultura contemporâneas. Também será o momento de celebrar o ciclo criativo da cultura digital, que se aprofundou com a indução feita pelo Ministério da Cultura desde 2003.

O Fórum contou com uma programação colaborativa e recebeu mais de 100 propostas a partir da chamada pública para apresentações de atividades. Os encontros acontecem simultaneamente em seis espaços diferentes. São eles:

– Seminário Internacional
– Experiências de Cultura Digital
– Arena da Cultura Digital
– Deck
– Cultura Digital Mão na Massa
– Encontros de Redes

Participei do painel dedicado a Educação e Experiências de Cultura Digital, juntamente com os colegas do grupo de Estudos Educar na Cutura Digital e outros pesquisadores, confira:

Experiências de Educação e Cultura Digital
Laboratório Web de Comunicação (UFRJ): Cristina Monteiro da Luz
Centro Educacional Pioneiro: Débora Sebriam
SELIGA: Gilson Schwartz , Luiz Otávio de Santi e Marcia Maria de Moura Ribeiro
Grupo de Estudos Educar na Cultura Digital: Mila Gonçalves
Projeto Folhas e o Livro Didático: Mary Lane Hutner
Polo de Cultura Digital: Cristiane Costa

A programação completa do Fórum: http://culturadigital.br/forum2010/programacao/

%d blogueiros gostam disto: